segunda-feira, 16 de setembro de 2013

POR MUITO POUCO



16 de setembro de 2013 | N° 17555

ARTIGOS

 Leonardo Kauer*



Quem não conhece (ou viveu) situações em que pequenos detalhes têm graves consequências? Passar a noite em claro terminando um trabalho importante, mas não conseguir entregá-lo por um atraso de cinco minutos. Ter o emprego tão sonhado conquistado pela pessoa imediatamente à frente na fila. Acertar todos os números da cartela da loteria... menos um. Foi por tão pouco...

Há perdas, porém, infinitamente maiores do que uma oportunidade de trabalho ou a chance de ganhar muito dinheiro. Estamos falando em perder a vida ou em tê-la alterada para sempre, e para pior, por conta de “pequenos detalhes”, por “muito pouco”.

O que é um copinho de vinho antes de dirigir? Ou uma cervejinha? Usamos essas palavras no diminutivo devido a dois sentimentos potencialmente nocivos: conferimos uma carga emocional a algo que, no fundo, sabemos ser prejudicial e, ao mesmo tempo, enfatizamos a pequena importância que queremos conferir a esse comportamento. Ele pode, no entanto, ter resultados muitíssimo graves. Esse “pouquinho” de álcool ingerido antes de assumir a direção de um veículo pode fazer toda a diferença – em direção à tragédia.

Mas, então, não são as pessoas totalmente alcoolizadas as causadoras de acidentes de trânsito? Por certo que sim. A influência do álcool e de outras drogas está mais do que confirmada. As pessoas que dirigem totalmente transtornadas pelo álcool, porém, são poucas. Já as pessoas que dirigem após ingerir quantidades relativamente pequenas de álcool são muitas – e elas são, inadvertidamente, responsáveis por grande número de acidentes. Quem bebe muito erra uma curva por muito; quem bebe pouco, erra por pouco – mas o suficiente para atropelar um pedestre na beira de uma calçada, uma criança que atravessa correndo atrás de uma bola, ou um ciclista ao fazer uma manobra repentina – o que não ocorreria se o condutor estivesse totalmente sóbrio.

É preciso que a sociedade entenda que, por muito pouco, vidas se perdem estupidamente, acidentes que destroem famílias não precisariam ter acontecido. Muito oportuna, portanto, a opção do Denatran pelo tema “Álcool, outras drogas e a segurança no trânsito – efeitos, responsabilidades e escolhas” para a Semana Nacional de Trânsito deste ano. Sobre os efeitos do álcool e das drogas sobre a segurança no trânsito acabamos de discorrer. Sobre as responsabilidades, temos convicção de que são de todos e de cada um. E, sobre as escolhas, nosso desejo é de que seja sempre apenas uma – pela vida.


*DIRETOR-PRESIDENTE DO DETRAN/RS

Um comentário:

Marina Pacheco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.